Menu

Saneamento básico de Rondônia é discutido em seminário do Trata Brasil

Um seminário sobre saneamento básico no estado de Rondônia aconteceu nesta quinta-feira (11) no auditório do Tribunal de Contas (TCE), em Porto Velho. O Instituto Trata Brasil (SP) e a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) apresentaram estudos sobre os benefícios econômicos que a expansão do saneamento pode gerar em todos os municípios do estado.

Uma pesquisa revelou que se toda a população do estado tivesse acesso a coleta de esgoto, as internações com problemas gastrointestinais cairiam de 4.402 mil casos para 2.843 mil, o que reduziria o custo em R$ 554,5 mil por ano. Segundo os estudos, quase 60% da população do estado não possui água tratada e apenas 2,8% da população possui esgoto.

Seminário tratou sobre saneamento básico e apresentou estudos do estado - Foto - Gaia Quiquiô

Seminário tratou sobre saneamento básico e apresentou estudos do estado – Foto – Gaia Quiquiô

O presidente executivo do Instituto Trata Brasil, Edson Carlos, explicou que a proposta é informar melhor o cidadão do estado sobre a situação de carência do saneamento em toda a Região Norte. “Os ganhos podem superar o custo necessário para universalizar o saneamento. Vale muito mais a pena fazer essa infraestrutura do que ficar pagando posto e hospital para tratar diarreia e doenças da água poluída”, declarou Edson.

O diretor da Fiocruz Ricardo de Godoy divulgou os estudos dos impactos na saúde com as condições sanitárias. A fundação relacionou o impacto que as más condições atuais tem sobre a saúde no dia a dia, como a diarreia, ocasionada pela ingestão de água contaminada, principalmente em crianças.

Para a expansão do saneamento básico em Rondônia, o estudo estima a necessidade de R$ 3,6 bilhões. Deste valor, um terço será destinado ao investimento do saneamento em Porto Velho, um terço para investimento em Ji-Paraná, Ariquemes, Vilhena, Cacoal, Jaru e Rolim de Moura, e outra parte para ser investida no restante  dos municípios do estado.

Em 2013, 4.402 mil pessoas foram internadas com infecções gastrointestinais, sendo 60% de crianças e jovens de até 14 anos, faixa etária em que a doença é perigosa. De todas as internações, 13 pessoas faleceram devido às doenças. O estudo aponta que as infecções aumentam em decorrência da falta de tratamento e coleta de esgoto.

De acordo com o Instituto Trata Brasil, a universalização do saneamento deve reduzir os dias de afastamento do trabalho e resultar em ganho econômico. Outro benefício do saneamento deve ser a qualificação do solo urbano, com aumento do capital imobiliário das cidades e valorização do turismo.

0

Anderson Guizolfe
Anderson Guizolfe é jornalista, fotógrafo profissional e se aventura no marketing e em novas tecnologias. Faz coberturas fotográficas dinâmicas em diversos eventos, e à 12 anos garimpa informações e notícias entre uma faculdade ou outra, e o serviço público.