Menu

Acesso a cidades isoladas por cheia em RO é bloqueado por manifestantes

Os moradores de Nova Dimensão, distrito de Guajará-Mirim (RO), bloquearam novamente a rota alternativa criada para chegar às cidades isoladas de Rondônia, Guajará-Mirim e Nova Mamoré, por causa da cheia histórica do Rio Madeira. O protesto começou após o Departamento de Estradas de Rodagens (DER) retirar as máquinas que faziam a obra de acesso e manutenção da estrada dentro do Parque Estadual de Guajará-Mirim, por determinação do Ministério Público Federal (MPF). A cheia histórica do Rio Madeira atinge o afluente Araras, que interditou a BR-425, principal acesso para a fronteira com a Bolívia.

Rota alternativa acaba deixando caminhões atolados - Foto Dayanee Saldanha-G1

Rota alternativa acaba deixando caminhões atolados – Foto Dayanee Saldanha-G1

Com o transbordamento do Rio Araras e a alagação da BR-425, via de acesso aos municípios da fronteira com a Bolívia, o acesso até Guajará-Mirim e Nova Mamoré foi restabelecido por uma estrada que dá acesso a União Bandeirantes, na BR-364, mas quem arrisca passar enfrenta uma viagem de quase 12 horas até Porto Velho e encontra muitos desafios pela frente. Outra alternativa para os moradores da região é a abertura da estrada que passa dentro do Parque Estadual de Guajará-Mirim. O DER começou a abertura e manutenção da estrada no parque, mas a Justiça Federal alegou que existem áreas de preservação ambiental e indígenas no local, paralisou as obras.

Por conta disso, os moradores decidiram bloquear novamente o acesso por Nova Dimensão. O comércio está sendo fechado e sitiantes estão saindo da Zona Rural pra a concentração do manifesto. De acordo com a Polícia Militar de Guajará-Mirim, uma ponte foi parcialmente destruída. Waldemar Albuquerque, chefe de gabinete do governo de Rondônia, deve seguir até o distrito para negociar com os manifestantes. Cerca de 80 policiais militares e homens do Grupo de Operações Especiais (GOE) seguem até a localidade para garantir a segurança, e sairão somente após a liberação da estrada.

Transbordamento do Rio Araras
O desvio que começou a ser usado para garantir acesso a Guajará-Mirim e Nova Mamoré, cidades que ficaram isoladas por conta da cheia recorde do Rio Madeira, em Rondônia. O desvio tem cerca de 200 quilômetros, recebe caminhões de combustíveis, alimentos e água para abastecer as cidades. Mas a Defesa Civil de Guajará afirma que a estrada não oferece condição para a passagem de veículos pesados.

Nesta quinta-feira (6), a Defesa Civil Estadual informou que o Departamento Nacional de Infraestrutura e Transportes (Dnit) e o DER estão com grandes dificuldades para manter o transporte de suprimentos e combustíveis a Guajará-Mirim e Nova Mamoré. As condições ruins e o intenso fluxo de veículos pesados são os principais problemas.

Fonte: G1.com.br/rondonia

0

Matheus é estudante e esportista - o tipo de pessoa que tem talento nato pra algo - jogador de voleibol. Integrante da equipe OndaTOP, é responsável pela operação de notícias da Redação.