Menu

Hidrogênio de Plantas – método pode reduzir custo de combustíveis

Uma boa notícia: pesquisadores da Virginia Tech (esse pessoal está com tudo) anunciou ontem que descobriu um método para extrair hidrogênio em grandes quantidades, o que pode ser de grande impacto na produção de combustíveis renováveis. A fonte? Plantas.

O professor de engenharia de sistemas biológicos Yi-Heng Percival Zhang foi quem trouxe a novidade. Ele e sua equipe fizeram um experimento utilizando xilose, um monossacarídeo presente nas plantas, obtendo quantidades enormes de hidrogênio no proceso. Melhor: o método pode ser empregado em qualquer tipo de biomassa.

O professor de engenharia de sistemas biológicos Yi-Heng Percival Zhang foi quem trouxe a novidade

O professor de engenharia de sistemas biológicos Yi-Heng Percival Zhang foi quem trouxe a novidade

Melhor ainda: diferente de outros métodos para produção de hidrogênio, a técnica do prof. Zhang não requer uso metais pesados e quase não emite gases do Efeito Estufa na atmosfera.

O Departamento de Energia Norte Americano acredita que o uso do hidrogênio como combustível pode modificar drasticamente o cenário atual de dependência de combustíveis fósseis, além de jogar o preço de produção lá embaixo, já que a xilose é apenas o segundo açúcar mais abundante nas plantas.

Claro, a humanidade ainda vai depender de combustíveis fósseis por muito tempo. Apesar de uma projeção de que o petróleo do mundo só dura mais 40 anos, isso se refere apenas ao que pode ser explorado atualmente. Se formos adicionar as reservas totais de petróleo e pré-sal as quais não temos acesso com o estado atual de nossa tecnologia (mas que não está parada; o Brasil por exemplo é o país com a melhor tecnologia de prospecção em altas profundidades do mundo), nós temos o suficiente para séculos.

Outro problema é que fontes alternativas sempre esbarram no lance de fazer mais com menos. Por exemplo: a gasolina possui uma densidade de energia por massa de 46,9 MJ/kg, ao passo que uma bateria de lítio convencional tem uma densidade entre 0,54 e 0,72 MJ/kg. Trocando em miúdos, 1 kg de gasolina tem quase o mesmo valor energético de uma bateria de celular de 50 kg (hipoteticamente falando).

Uma boa alternativa é o hidrogênio, que possui densidade maior e só deixa um resíduo após a queima: água. E agora que descobriram como produzí-lo em larga escala, resta esperar coisas boas a caminho.

Fonte: VT News – Engadget –  ONDATOP

0

Anderson Guizolfe
Anderson Guizolfe é jornalista, fotógrafo profissional e se aventura no marketing e em novas tecnologias. Faz coberturas fotográficas dinâmicas em diversos eventos, e à 12 anos garimpa informações e notícias entre uma faculdade ou outra, e o serviço público.