Menu

Produção de veículos no Brasil cresce 14,3% em 2010 e bate novo recorde

Produção de Veículos bate recorde em 2010

Produção de Veículos bate recorde em 2010

A indústria automobilística nacional fechou o ano de 2010 com um novo recorde de produção: 3.638.390 unidades fabricadas. O volume representa alta de 14,3% sobre o ano de 2009, quando saíram das linhas das montadoras 3.182.923 veículos (automóveis, comerciais leves, caminhões e ônibus). Os dados foram informados nesta quinta-feira (6) pela Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea), um dia após a divulgação de recorde de vendas no ano pela Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores (Fenabrave).

De acordo com a entidade, somente de automóveis e comerciais leves foram produzidas 3.401.190 unidades em 2010, uma expansão de 12,4% em relação ao ano passado, quando 3.024.775 foram fabricadas. Com os resultados positivos de 2010, as projeções de venda no mercado interno foram reajustadas para cima, para 3,69 milhões de veículos licenciados, ou seja, crescimento de 5% sobre 2010. Para a produção, a expectativa é de crescimento de 1,1%, com total de 3,68 milhões de unidades fabricadas, segundo o presidente da entidade, Cledorvino Belini.

Alta de 54% para caminhões
O segmento de caminhões foi o que apresentou a maior alta na produção anual: 54,7%, em relação a 2009, que registrou 123.633 unidades. É um novo recorde ao segmento: ao todo, a produção chegou 191.321 unidades.Também com números históricos, o segmento de ônibus encerrou o ano com 45.879 unidades produzidas, aumento de 32,8% sobre o ano anterior quando haviam sido fabricadas 34.535.

O resultado confirma as projeções anunciadas anteriormente pela Anfavea, que já considerava o contínuo aquecimento do mercado interno e a dificuldade de recuperar as exportações em relação ao período pré-crise.

Exportações
Com o mundo se recuperando da crise, o Brasil conseguiu vislumbrar uma realidade melhor em 2010. Ao todo, foram vendidos no mercado externo 765.680 veículos. O volume representa crescimento de 61,1% sobre o total exportado em 2009, de 475.325 unidades.

Isso significa que a crise que abalou os principais compradores de veículos nacionais já não ameaça mais as exportações brasileiras. Para a Anfavea, porém, a indústria não é suficientemente competitiva para manter o crescimento nas exportações. Como comparação, em 2008 haviam sido exportadas 734,6 mil unidades.

Em valores o crescimento foi de 54,7% na comparação com 2009. De janeiro a dezembro do ano passado, as montadoras exportaram US$ 12,9 bilhões; em 2009, foram US$ 8,3 bilhões. No entanto, em 2008 as exportações em valores foram maiores: US$ 13,93 bilhões em veículos e máquinas agrícolas. Ou seja, o valor agregado nos produtos caiu para as fabricantes não perderem clientes no exterior. “Em 2010, tivemos saldo negativo na balança comercial de US$ 5,7 bilhões”, destaca o presidente da Anfavea. “Estamos com a luz amarela acesa para a evolução desses números.”

Recorde confimado em vendas
Assim, as montadoras nacionais continuam dependendo do mercado interno. Os licenciamentos de veículos novos no país somaram 3,51 milhões de unidades, segundo a Anfavea, confirmando o recorde anunciado pela Fenabrave. O volume supera em 11,9% as 3,14 milhões de unidades registradas no ano anterior. Somente de veículos importados foram 660.141 unidades. Destas, 657.290 são de automóveis e comerciais leves (picapes e utilitários esportivo). Com o resultado, as importações atingiram crescimento de 35% em 2010 sobre 2009, de 488.874 unidades.

Para 2011, a expectativa da Anfavea é de que as exportações de veículos montados e desmontados (CKD) caia 4,7%, de 766.000 unidades para 730.000. Por outro lado, as exportações em valores devem subir 1,6% neste ano, de US$ 12,9 bilhões para US$ 13,1 bilhões.

Produção cai em dezembro
A produção em dezembro sofreu queda de 10,3% sobre novembro. Ao todo, foram para os pátios das fábricas 283.873 veículos, contra as 316.331 unidades no mês anterior. A queda é justificada pelo período de férias coletivas, quando as montadoras aproveitam para fazer ajustes nas linhas. A fabricação de automóveis e comerciais leves caiu 10,2%, por exemplo, para 265.755 unidades. Já a de caminhões teve retração de 9,2% para 15.789 unidades. A que sofreu maior queda foi a de ônibus, de 24,5%, de 3.085 para 2.329 unidades.

Empregos
O ano de 2010 encerrou com 136.103 pessoas empregas diretamente pelas fabricantes de veículos e máquinas agrícolas. O número é 0,2% superior ao de novembro, de 135.824 funcionários contratados. Em relação a dezembro de 2009, o aumento das contratações diretas chegou a 9,3%, já que naquele ano estavam contratadas 124.748 pessoas. O nível está entre os maiores dos últimos 10 anos.

Carros flex
Do total de automóveis licenciados, 86% foram com motores flex. De 2003, ano do lançamento dos modelos bicombustíveis, a 2010, as vendas acumuladas de veículos desse tipo atingiram a marca de 12,5 milhões de unidades. Nos anos anteriores a 2010, as participações do flex no licenciamento total de carros foram as seguintes: 2003, 4%; 2004, 22%; 2005, 50%; 2006, 78%; 2007, 86%; 2008, 87%; 2009, 88%. A queda de 1% na participação no ano passado em relação a 2009 é justificada pelo aumento da importação de veículos, que normalmente não possuem essa tecnologia. A participação dos carros importados no licenciamento chegou a 18,8% em 2010.

Fonte: Orgulhosamente G1.com.br

0

Anderson Guizolfe
Anderson Guizolfe é jornalista, fotógrafo profissional e se aventura no marketing e em novas tecnologias. Faz coberturas fotográficas dinâmicas em diversos eventos, e à 12 anos garimpa informações e notícias entre uma faculdade ou outra, e o serviço público.