Menu

Palavra de Especialista > Os perigos da pressão alta – Hipertensão Arterial Sistêmica

 

Procedimento de Aferimento de Pressão Arterial Sistêmica

Procedimento de Aferimento de Pressão Arterial Sistêmica

A  Hipertensão Arterial sistêmica (HAS) é um importante problema de saúde pública no Brasil e no mundo, sendo ainda um dos mais importantes fatores de risco para o desenvolvimento de doenças crônicas e incapacitantes, como as cardiovasculares, cerebrovasculares e renal. É responsável por pelo menos 40% das mortes por acidente vascular cerebral ( AVC ) e por 25% das mortes por doença arterial coronariana. Em combinação com o Diabetes, representa 62,1% de diagnóstico primário de pessoas submetidas à diálise.

Entre as pessoas idosas, a hipertensão é uma doença altamente prevalente, acometendo cerca de 50% a 70% das pessoas nessa faixa etária. É um fator determinante de morbidade e mortalidade, mas, quando adequadamente controlada, reduz significativamente as limitações funcionais e a incapacidade. A hipertensão como várias outras doenças não devem ser consideradas conseqüência do envelhecimento. Pois ela pode afetar tanto idosos quanto adultos jovens na faixa de 30 a 50 anos. Isso ocorre por vários fatores, tais como obesidade, má alimentação, vida muito estressante, etc.

“Não sabemos avaliar a saúde quando a temos, lamentamos a sua falta quando a perdemos.” ( Marquês de Maricá )

 

As doenças cardiovasculares constituem a principal causa de morbimortalidade na população brasileira. Não há causa única para essas doenças, mas, vários fatores de risco que aumentam a probabilidade de sua ocorrência. A hipertensão arterial e a diabetes mellitus representam dois dos principais fatores de risco, contribuindo decisivamente para o agravamento desse cenário.

A aferição da pressão arterial deve ser realizada com técnica adequada e com esfignomanômetros confiáveis; sendo o considerado ideal é o da coluna de mercúrio. Os aparelhos do tipo aneróide, quando usados, devem ser periodicamente testados e calibrados. O manguito deve ter o tamanho adequado ao braço da pessoa. A largura da bolsa de borracha deve corresponder a 40% da circunferência do braço e o seu comprimento envolver pelo menos 80% de referido membro. A medida da pressão arterial deve ser realizada na posição sentada para um resultado mais exato.

É muito importante entender que quem sofre de hipertensão arterial terá que fazer seu controle por toda a vida, visto que, na grande maioria das pessoas (95%), não se consegue descobrir sua causa.

Como Diagnosticar a Hipertensão Arterial Sistêmica

As recomendações para avaliação inicial, diagnóstico e seguimento clínico de pessoas com HAS se faz através do quadro a seguir:

**** Obs: PAS ( pressão arterial sistólica) e PAD (pressão arterial diastólica).


Na avaliação de pessoas hipertensas, o  risco cardiovascular é de fundamental importância para orientar a conduta terapêutica e o prognostico. A avaliação do risco de cada indivíduo deve ser avaliada pelo cálculo do escore de  Franmingham.

Sintomas:

A hipertensão arterial não apresenta sintomas  na primeira fase, mas com o passar do tempo e o aumento da idade eles começam a aparecer. Os mais comuns são:

  • Dor de cabeça;
  • Falta de ar;
  • Enjôos;
  • Visão turva que pode está acompanhada de zumbidos;
  • Debilidade;
  • Sangramento pelo nariz;
  • Palpitações e até desmaios.

A HAS é conhecida como assintomática na maioria dos casos, devemos fazer um estudo clínico para fechar um diagnóstico correto.

Quando a pressão alta não for descoberta e tratada ela pode causar:

  • Aumento do coração, o qual pode ocasionar a falha deste.
  • Aneurismas nos vasos sangüíneos, mais comumente na aorta e artérias no cérebro, pernas e intestinos.
  • Estreitamento dos vasos sangüíneos nos rins, o que pode causar a falha destes.
  • “Endurecimento” precoce de artérias pelo corpo, especialmente aquelas no coração, cérebro, rins e pernas. Isso pode causar ataque cardíaco, infarto, falha nos rins ou amputação de parte da perna.
  • Sangramento ou ruptura de vasos sangüíneos nos olhos, o que causa alterações na visão e pode resultar em cegueira.

O Tratamento da Hipertensão Arterial Sistêmica

O objetivo primordial do tratamento da hipertensão é a redução da morbidade e da incapacidade. São utilizados tanto medidas não- farmacológicas isoladas, como associadas a fármacos anti-hipertensivos. Os agentes anti-hipertensivos a serem utilizados devem promover a redução não só dos níveis tensionais como também a redução de eventos cardiovasculares fatais e não fatais.

Basicamente, há duas abordagens terapêuticas para a hipertensão arterial:

1- O tratamento baseado em modificações no estilo de vida; (perda de peso, atividades físicas e alimentação saudável );

2- O  tratamento medicamentoso;


A prática de atividades físicas ajuda na saúde em diversos aspectos

A prática de atividades físicas ajuda na saúde em diversos aspectos

Apesar dos esforços dos profissionais de saúde no combate a HAS, percebe-se que idosos e as pessoas em geral, tendem a não levar muito a sério o seu estado hipertensivo. Acham que só tomar o medicamento irá resolver totalmente a  hipertensão. Mero engano, na verdade  deve-se adotar medidas saudáveis, tais como, evitar bebidas alcoólicas, o tabagismo e a inatividade física. Realizar caminhadas ao ar livre é uma boa é barata opção para melhorar a saúde é a qualidade de vida.

Importância da Atividade Física:

  • Auxilia a melhora da força e da  flexibilidade muscular;
  • Redução da pressão arterial;
  • Melhora da Diabetes;
  • Diminuição do colesterol total e aumento do HDL (bom colesterol);
  • Diminuição do risco de morte por doença do coração em 40 %;
  • Melhora o fluxo de sangue para o cérebro;
  • Ajuda na capacidade de lidar com estresse;
  • Reduz a ansiedade, ajudando no tratamento da depressão;
  • Exerce efeito no convívio social do indivíduo, tanto no campo familiar como profissional.

Assim, não importando a idade, sexo, raça, a hipertensão é um doença silenciosa e perigosa que pode levar a morte ou a invalidez permanente. Mas pode ser controlada por pequenas mudanças nos nossos hábitos. Afinal, nossa saúde é a maior dádiva que temos, devemos cuidar para que ela não escape de nós.

 

Por Drª. Rita de Cássia Martins – Fisioterapeuta, com informações Ministério da saúde.

 

0

Dra. Rita de Cássia Martins
Rita de Cássia é Fisioterapeuta, e escreve para a sessão Palavra de Especialista do OndaTOP a 8 anos. Trabalha com RPG, Fisioterapia Ortopédica e Drenagem Linfática.