Menu

Palavra de Especialista >> Incontinência Urinária

Não distingue raça ou idade, pode afetar a todos e deve ser cuidada.

Saúde Feminina - Incontinência Urinária

Saúde Feminina - Incontinência Urinária

A incontinência urinária é um problema comum em mulheres de meia idade,

atingindo 25% das mulheres após a menopausa. È  a perda involuntária de urina pela bexiga, ocorre quando a pressão da bexiga excede aquela que está dentro da uretra.

A perda involuntária de urina atua de forma devastadora na qualidade de vida da paciente e pode ser adequadamente tratada.

Estima-se que existam mais de 30 milhões de mulheres incontinentes só nos EUA.

Fatores como a gravidez, o parto, o excesso de peso podem enfraquecer os músculos da pelve.

Existe também a incontinência urinária infantil e juvenil ( enurese ) relacionados a fatores orgânicos e emocionais. A enurese infantil só é vista como uma dificuldade a ser tratada quando a criança tem mais de cinco anos, faz chichi na cama duas ou mais vezes por semana durante pelo menos três meses.

Entenda o processo de micção:

A micção é controlada por nervos e músculos do sistema urinário, o trato urinário inclui:

RINS: filtram o sangue e excretam os produtos finais do metabolismo do corpo.

URETERES:  tubos que conduzem a urina dos rins a bexiga.

BEXIGA:  saco que serve como reservatório da urina.

URETRA: tubo que conecta a bexiga ao interior do corpo.

Quando você não está urinando, os músculos mantém o tubo uretral fechado.

Sistema urinário

Sistema urinário

Pequenas quantidades de urina são continuamente esvaziadas na bexiga pelos ureteres e a cada 10 a 15 segundos. Logo, a urina acumula na bexiga e quando a bexiga fica cheia, o cérebro envia sinais para os músculos da bexiga se contrair e os músculos da uretra se relaxar, permitindo então, ocorrer a micção.

A incontinência ocorre quando o estoque e o esvaziamento da bexiga não funcionam de uma maneira coordenada. Essa falta de coordenação entre os processos de estoque e esvaziamento é devido ao mau funcionamento dos nervos é músculos da bexiga ou uretra.

 

Tipos de incontinência urinária:

  • Bexiga hiperativa ou de urgência: vontade de urinar, e a pessoa não consegue controlar chegando a se urinar antes de chegar ao banheiro. Processo inicial anterior ao ato de urinar.
  • Incontinência por esforço: afrouxamento muscular do esfíncter uretal; o paciente perde urina ao fazer qualquer esforço como tossir, espirrar, levantar-se de sentado para em pé.
  • Incontinência mista: resulta da combinação destas duas situações.
  • Gotejamento pós-miccional – Causado em parte por disfunção do esfíncter.

Como se tratar ?

O tratamento vai depender do tipo e das causas da incontinência urinária.

Inclui medidas gerais identificando as possíveis causas da perda de urina, tais como:

–         Perder peso;

–        Parar de fumar para diminuir a tosse crônica;

–        Tratar a constipação.

O alivio dos sintomas pode ser conseguido:

–         Com alguns medicamentos específicos;

–        Com a fisioterapia de exercícios para o fortalecimento do assoalho pélvico (pode melhorar até 75% dos sintomas);

–        O uso de cones vaginais com pesos diferentes.

Todas essas medidas são tidas como um bom meio para tratar o prolapso vaginal e prevenir o prolapso uterino nas mulheres. Pode-se realizar o tratamento da incontinência urinária, tanto nos homens como nas mulheres e em crianças, sempre observando os fatores e as causas. Nos casos de crianças e jovens o fator psicológico é muito comum, recomenda-se procurar um psicólogo. Pessoas com essa doença sofrem um grande desgaste psicológico, que deve ser tratado afim de evitar depressão. Muitas mulheres têm vergonha de falar sobre o assunto e acabam indo procurar ajuda profissional, quando os sintomas já estão muito exacerbados. Provando uma demora no tratamento e as vezes causando uma intervenção cirúrgica devido a fragilidade que se encontram os músculos do assoalho pélvico. O diagnóstico precoce pode evitar essa ocorrência.

É certo que, com o envelhecimento, homens e mulheres ficam mais expostos a esse tipo de problema, devido a fatores distintos que levam a mesma queixa. Comumente ouve-se que perder urina na terceira idade é normal, e que faz parte do envelhecer. Entretanto essa afirmação é enganosa. Perder urina pode ser considerado até comum no idoso, mas não é normal, e merece atenção médica. 1

Com o aumento progressivo da expectativa de vida deve-se investir em intervenções e abrir possibilidades para um envelhecimento saudável. Afinal, “não basta dar anos a vida é necessário dar vida aos anos.”2

 

Por  Rita de Cássia – Fisioterapeuta, com informações de 1 Chistine Ploger, fisioterapeuta. 2 Frase do Romance de Roberto Pelegrino “O Caminho de Davi”, 2008 – Giz Editorial.

 

 

 

 

 

 

 

0

Dra. Rita de Cássia Martins
Rita de Cássia é Fisioterapeuta, e escreve para a sessão Palavra de Especialista do OndaTOP a 8 anos. Trabalha com RPG, Fisioterapia Ortopédica e Drenagem Linfática.